Clube de Xadrez de Blumenau

Fundado em 09 de março de 1917
Declarado de Utilidade Pública pelo Estado de Santa Catarina Dec. Lei número 3897 de 26 de setembro de 1966
e pelo Município de Blumenau Lei nro 1469 de 27 de dezembro de 1967 CGC 82.666.850/0001-98






Colunas
Antonio Bambino Filho
Heidy Almeida


E começa 2013!


Tirando a poeira do teclado, volto a escrever na esperança de que o intervalo entre uma coluna e outra seja menor para as próximas.

Foi realizada no último dia 08/02 a Taça Santa Catarina (vencida convincentemente pelo MI argentino Nahuel Diaz), onde voltei a jogar um torneio FIDE depois de sabe-se lá quanto tempo. O torneio atraiu vários jogadores fortes de SC, RS, PR, DF e SP - além do hermano campeão.

Um pouco fora de forma, joguei partidas alternadas - umas boas, outras realmente desastrosas. Pequei no que qualquer jogador peca quando fica algum tempo sem jogar torneios: tática. Deixei passar alguns golpes, meus adversários deixaram passar outros, dignos de Houdini fritar qualquer processador.

Mas onde a falta de ritmo mais se faz notar não está dentro das 64 casas. Organizar as análises antes de fazer um lance torna-se uma atividade complicada, com linhas se confundindo e com perda de tempo na conclusão de coisas óbvias. Senti isso desde a primeira rodada e, como espero chegar mais bem preparado no JASC 2013, pretendo trabalhar mais neste ano para corrigir as deficiências.

No mais, destaco a participação do MI Nahuel Diaz, que mereceu o título com um jogo posicional firme, que não foi ameaçado em momento algum. Outro destaque para o amigo e rival de longa data, o concordiense Eduardo Yamamoto, que não possui rating FIDE mas, se pretender fazer seus blocos, teve nesse torneio um grande lucro: vitória contra Felipe Menna Barreto (2285), empates com Lucas Aguiar (2202) e a nossa WMI Regina Ribeiro (2029).

Abaixo, um breve comentário sobre minhas seis partidas:

1a rodada: de brancas contra Leandro Cardoso, de Araranguá (representa Criciúma), uma Reti meio torta, onde cedo um pouco a iniciativa mas mantenho uma posição tensa. Após uma vantagem estratégica com 17. a4, cometi umas imprecisões pra transformar a vantagem posicional em material. Depois de recusar uma oferta de empate, consegui finalmente jogar o 32.f4 que a posição pedia e obtive um jogo mais confortável. Ponto!

2a rodada: de pretas, contra o joinvillense Victor Carriço, joguei a minha pior partida disparada no torneio. Uma Pirc onde saio confortavelmente na abertura, especialmente após um 15. b4? jogado pelo meu adversário. Neste momento, deixei escapar um 15…e4! com boa vantagem e comecei a dar chance. Após um 18…Ca8? medonho, já estou em posição inferior, com um Cavalo fora de jogo e com o b4 branco justificado. Após uma série de manobras horríveis da minha parte, joguei um 27…f4?? com o plano de prender o Bispo branco no canto do tabuleiro. O plano tem mais furos que um queijo suíço, e acabei dando sorte de o meu adversário não ter achado o arremate correto. No lance 44, deixei escapar uma rede de mate com 44…Bd4!, quando branco não tem mais o que jogar. Com pouco tempo no relógio, deixei entrar em um final de Bispo x Cavalo totalmente empatado, que mais uma vez, dei sorte pois meu adversário acabou se confundindo. Ponto!

3a rodada: de pretas, contra o hermano Nahuel Diaz, enfrentei uma Inglesa com um plano que não conhecia muito bem (lance 8. e3 dele me soou diferente). Com as peças desenvolvidas, joguei meu melhor lance no torneio: 14…g5!? tem vários propósitos: dar casa g6 ao Cavalo, abrir uma diagonal de volta para o bispo de casas brancas se necessário e, principalmente, segurar a casa f4 para que o branco não jogue Cf4. Após um meio de jogo bastante igualado, levei muitas peças para perto do Rei branco e, como não fiz nada, tive problemas para voltar. Nahuel sugeriu após a partida, depois de 19…Bxg2, jogar g4 - e6 - Tf8 - f5, com um plano mais definido. Da forma como joguei, acabei ficando sem planos e o branco não teve problemas em arrematar. Após 31. Cd5, já estou inferior e é difícil segurar o jogo. Experiência!

4a rodada: de brancas, contra o jogador de São Bento do Sul, Bruno Lucci. Uma Inglesa simétrica com e4-f4, que seguiu um jogo tranquilo até um erro de cálculo das pretas com 13…Cc5??, perdendo o rumo. Mais um pouco de sorte pra não perder o costume. Ponto!

5a rodada: de pretas, contra o paranaense Geovani Broday. Uma Pirc onde o branco não teve muitas ambições na abertura, e se limitou basicamente a trocar peças e manter uma vantagem microscópica. Creio que meu 11…Be6 foi duvidoso do ponto de vista prático, pois deveria ter mantido mais as peças e tentado um jogo mais complicado, indo de encontro às intenções do meu adversário. O empate me foi oferecido três vezes, todas recusadas, até um 20…Td3?! bastante estranho da minha parte (fiquei com medo de 21. Cd4, com a Torre ficando um pouco presa). Quando fiz o lance e olhei, dei aquela famosa "gelada" e ofereci empate o mais rápido que meu cérebro permitiu. Empate!

6a rodada: contra meu irmão, Marcelo Bambino - que apesar de seus 1951 de rating, joga pra muito mais do que isso e embolsou 12 pontos no torneio. Uma Escandinava tranquila, que selou o empate no décimo lance.

Classificação

Partidas

Parabenizo também ao meu pai pelo seu bloco de 5 partidas com rating FIDE! Logo, só falta a mãe e a cachorrinha da casa pra terem perfis no site da FIDE!

E um útlimo agradecimento: à namorada que suportou longas horas de ócio pra ver partidas emocionantes de xadrez! Te amo e obrigado pelo apoio!

Aos que chegaram até aqui, muito obrigado e um abraço!


Antonio Carlos Bambino Filho (ELO: 2175) joga xadrez há mais de 10 anos. Trabalha com redes de computadores (formado em Ciência da Computação, pós-graduando em Engenheria de Software) e dá aulas particulares de xadrez por Skype ( nome Skype: antoniobambinofilho ). Campeão brasileiro sub-18 em 2006, bi-campeão catarinense sub-20 em 2008/09. Campeão do Circuito Catarinense Adulto em 2007, aos 18 anos.